Ecossistema empreendedor: mutualismo nos negócios

Ecossistema Empreendedor

Ecossistema empreendedor: mutualismo nos negócios

Na natureza, ecossistema é um ambiente com diversos tipos de seres vivos interagindo entre si. Para haver um equilíbrio nessa relação, a palavra-chave é interdependência. Ou seja, a ideia de que uma espécie depende da outra. Quando falamos em ecossistema empreendedor, o assunto não é biologia, mas a linha de raciocínio é parecida.

 

Imagine uma árvore na Amazônia. Um pássaro pousa em um galho, come um fruto e descarta a semente no solo. Ele deu a sua contribuição para o nascimento de uma nova árvore – e, consequentemente, para a renovação do seu habitat. Esse é apenas um entre tantos exemplos da perfeita harmonia da natureza.

 

No ecossistema empreendedor não há agentes no topo da cadeia alimentar, porque não existe hierarquia. Mas uma iniciativa pode morrer, seja por causas naturais ou graças a um grande predador, a concorrência. Nesse caso, o próprio ecossistema se encarrega da decomposição: absorver a mão-de-obra qualificada que acaba de se tornar disponível.

 

Já cansou das metáforas relacionadas à biologia? Não se preocupe. A partir daqui, vamos direto ao ponto. Neste texto, você aprenderá o que é ecossistema empreendedor, quais são seus componentes e suas vantagens, além de conhecer alguns exemplos. Boa leitura!

O que é ecossistema empreendedor

Ecossistema empreendedor é um ambiente amigável para o surgimento de novos negócios, por oferecer todos os elementos de que ele precisa para prosperar. A simples compreensão desse conceito é importante para o empreendedor de primeira viagem, porque ele entende que faz parte de um sistema, que não pode ficar alheio ao seu entorno.

 

Começar uma empresa em um ecossistema empreendedor não é garantia de sucesso, pois muitos vão falhar. Isso não quer dizer que estar em um ambiente propício à empreitada não ofereça grandes vantagens a quem tem uma boa ideia e, principalmente, abertura e disposição para aproveitar todos os benefícios do meio em que se encontra.

 

Ainda não conseguiu visualizar como o ecossistema empreendedor se manifesta na prática? Abaixo, explicamos quais são os principais elementos que o compõem e você entenderá melhor:

Empreendedores

Em um ambiente com muitas empresas, de várias áreas diferentes, é possível não apenas apreender com suas experiências, mas também se aproveitar de seus serviços, pois muitas trabalham no modelo business to business (conhecido como B2B, empresa para empresa).

Educação

Ter universidades e outras instituições de educação em geral (de ensino superior, técnico, de capacitação ou aperfeiçoamento) próximas é uma grande vantagem, pois é sinal de que há grande produção de conhecimento na região.

Acesso a talentos

O item anterior é fundamental neste. Muitos empreendedores colocam a falta de profissionais qualificados entre as principais dificuldades que enfrentam, e as universidades são as principais fontes de mão de obra especializada.

Acesso ao capital

Nem todos os empreendedores têm condições de abrir uma empresa por meio do bootstrapping, ou seja, com recursos próprios. O acesso ao capital inclui não apenas empréstimos de instituições financeiras, mas também a presença de investidores dispostos a apostar em um negócio novo.

Incentivos

Quando se fala em incentivos públicos ao empreendedorismo, a isenção de impostos não é o único caminho. Abertura de linhas de crédito e diminuição na burocracia também ajudam muito.

Facilitadores

Aceleradoras, incubadoras e outras organizações (públicas ou privadas) de fomento ao empreendedorismo têm um papel fundamental no ecossistema empreendedor.

Infraestrutura

Além do básico (boa oferta de imóveis comerciais e rede estável de energia e telecomunicações), é interessante que a região em que se encontra o ecossistema empreendedor esteja relativamente próxima a um grande centro populacional, onde há um bom número de possíveis investidores, clientes, parceiros e colaboradores.

Características e vantagens do ecossistema empreendedor

Você pode olhar para a sua cidade e se dar conta de que ela possui todos os elementos que listamos acima. Mesmo que isso seja verdade, não significa que ela seja um ecossistema empreendedor. Ele só é caracterizado quando todas as partes atuam de forma conjunta em uma sociedade.

 

Voltando às metáforas biológicas, uma praga ou a interferência humana podem causar desequilíbrio em um bioma. Para que seja caracterizado o ecossistema empreendedor, deve haver sempre equilíbrio e mutualismo – outro termo emprestado da biologia, que descreve uma associação na qual indivíduos de diferentes espécies diferentes são beneficiados ao mesmo tempo.

 

Outra característica de um ecossistema empreendedor é sua autogestão. Ou melhor, a ausência de gestão. Como ninguém o representa, ele é autorregulado por meio da interação entre seus atores. Para funcionar, essa dinâmica exige um alto grau de desenvolvimento, maturidade e consciência por parte de todos os elementos da rede.

 

Segundo o autor e professor americano Daniel Isenberg, a grande referência atual sobre o assunto, quando as partes do ecossistema empreendedor alcançam esse nível e se fortalecem mutuamente, a interferência do Estado pode ser diminuída – não eliminada completamente –, simplesmente porque não há necessidade de investir tanto.

 

As vantagens de um ecossistema empreendedor, portanto, não são apenas aumentar as chances de sucesso de quem está abrindo um novo negócio e aumentar a oferta de empregos em uma região. Há benefícios para todas as partes interessadas: o poder público tem maiores receitas fiscais e os bancos uma carta de crédito maior, por exemplo.

Iniciativas brasileiras

O grande exemplo mundial de ecossistema empreendedor é o Vale do Silício. É nessa região da Califórnia que se encontram as maiores empresas de tecnologia do mundo, mas também grandes universidades, os melhores profissionais, investidores ávidos por projetos promissores e uma sociedade que apoia a inovação e empreendedorismo.

 

Há iniciativas em diversos cantos do planeta que buscam, se não criar um novo Vale do Silício, utilizar os conceitos de que falamos nesse artigo para criar um ambiente propício aos empreendedores. Porto Alegre é um desses cantos. O grupo E2 – Ecossistema Empreendedor promove encontros colaborativos com empreendedores de diversas áreas.

 

Os participantes colaboram com ideias – com foco em inovação e disrupção – para quem está começando a empreender ou quer mudar um empreendimento que já existe. São utilizados métodos de dinâmicas e facilitações para todo mundo ajudar e ser ajudado. Até agora, foram 28 encontros, 54 iniciativas ajudadas e mais de 762 pessoas envolvidas.

E2 - Ecossistema Empreendedor

Encontro do grupo E2 – Ecossistema Empreendedor.

O primeiro encontro do E2 em 2018 acontecerá no dia 22 de maio. Acesse a página do evento no Facebook para saber como participar. No restante do Brasil, há outras iniciativas interessantes que buscam unir a comunidade empreendedora, criar ou promover ecossistemas empreendedores. Nos links abaixo, conheça algumas delas:

O que achou das ideias? Concorda que um ecossistema empreendedor, com agentes que colaboram uns com os outros, é capaz de proporcionar benefícios para toda a comunidade? Deixe um comentário abaixo. Caso tenha ficado com alguma dúvida, você também pode entrar em contato conosco.

NENHUM COMENTÁRIO

ENVIAR UM COMENTÁRIO