QUANTO CUSTA COMPRAR UM IMÓVEL? CONHEÇA TODOS OS GASTOS QUE VOCÊ TERÁ

QUANTO CUSTA COMPRAR UM IMÓVEL? CONHEÇA TODOS OS GASTOS QUE VOCÊ TERÁ

A compra de um imóvel é o maior e, provavelmente, o mais importante investimento da vida para a maioria dos brasileiros. Por isso é tão importante conhecer bem os gastos extras relacionados.

 

Taxas de cartório, tributos, eventuais custos com reforma e manutenção… é necessário incluir tudo isso na hora de fazer as contas. São gastos variáveis – influenciados  pelo  preço  e  localização  do imóvel, e podem representar um custo extra de, em média, 8% no valor do investimento.

 

Além disso, existem alguns custos indiretos, como: custo do condomínio, despesas básicas e transporte (caso a localização seja mais afastada) que não costumam aparecer no preço do imóvel que você está negociando, mas que impactam diretamente no padrão de qualidade de vida que você está acostumado a levar.

 

Procure estar ciente de todos os valores que você terá que desembolsar ao comprar um imóvel.

 

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE CUSTOS EXTRAS.

 

É muito importante avaliar todos os custos diretos e indiretos que envolvem a compra de um apartamento. Avalie criteriosamente a sua real condição e o que cabe no orçamento, especialmente se for optar por um financiamento. Muita gente peca na avaliação e enfrenta sérios problemas na hora de pagar as parcelas.

 

Além do valor pago ao vendedor, a compra de um imóvel envolve outras despesas:

  • Documentação (registro de imóveis, emolumentos)
  • ITBI (Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis)
  • Gastos com a mudança, e pequenas reformas: eventualmente você vai querer personalizar seu novo apartamento com adaptações nos espaços. No caso de não ser novo, leve em consideração a idade do imóvel, se já teve muitos moradores ou se passou por reformas, para evitar surpresas com a sua infraestrutura física.

 

GASTOS COM O IMÓVEL APÓS A COMPRA.

  • condomínio: lembre-se de perguntar qual será o valor médio do condomínio. Você precisa considerar esse valor no seu gasto mensal, junto à parcela do imóvel (no caso de financiamento), justamente para avaliar se o imóvel caberá no seu bolso sem comprometer tanto a sua qualidade de vida
  • despesas extras: além do valor do condomínio, você deve considerar algumas despesas que terá periodicamente. Verifique a existência de chamadas extras ou fundo de reserva
  • despesas básicas: você também deve se lembrar do comprometimento gerado com água, energia, internet, gás, compras no supermercado, ensino, saúde -, e as despesas variáveis (como pagamento de carnês, empréstimos pessoais, cartões de crédito e outras).
  • transporte: se a mudança de imóvel aumentar suas despesas com transporte, isso também deve ser considerado.
  • imposto de renda: esse é um custo que muitos não consideram ao comprar um imóvel. Saiba o quanto o imóvel vai impactar no seu imposto de renda. Você pode encontrar algumas calculadoras online que incluem o valor do imposto.

 

RESERVA PARA EMERGÊNCIAS.

Comprar um apartamento sem avaliar criteriosamente a sua real condição e o que cabe no orçamento, é um erro que pode gerar grandes dificuldades. Muita gente acaba esquecendo os custos extras que compõem a compra de um imóvel. Isso pode gerar surpresa, ou mesmo um aperto financeiro.

 

Antes de assumir uma conta que vai comprometer a sua renda por muito tempo, é fundamental que você esteja preparado para fazer uma boa reserva para enfrentar as emergências.

 

Embora a compra direta com a construtora permita um planejamento mais tranquilo e traga mais vantagens, agir com um pouco de prudência é sempre uma decisão inteligente.

 

Não existe uma regra para determinar quanto você deve ter como reserva de emergência. Mas ela será útil para não atrasar o pagamento das prestações do imóvel, ou para não atrasar o pagamento da escola dos seus filhos, plano de saúde, condomínio, água, energia, internet ou fatura do cartão de crédito, por exemplo. Tente reduzir os seus gastos e até mesmo deixe um capital reservado para conseguir lidar com dificuldades que possam decorrer durante esse processo.

 

Conheça seu limite financeiro e até onde você pode ou quer ir. Simule seu novo estilo de vida. Será que você é capaz de suportar esse peso no seu orçamento todos os meses? Que tipo de impacto isso vai gerar na sua vida financeira?

 

Tente viver por alguns meses com uma renda familiar menor. Ao receber seu salário, reserve o dinheiro correspondente para pagar os custos. Depois de três meses, você já terá uma ideia superficial do impacto que sofrerá na sua renda. Agora considere que isso vai durar vários anos.

 

Colocando tudo na ponta do lápis, fica mais fácil ajustar sua rotina para controlar os gastos durante o período, sem comprometer muito sua qualidade de vida.

 

E então, preparado para dar esse importante passo? Compartilhe com a gente sua história ou suas dúvidas. E não deixe de assinar a nossa newsletter para receber conteúdos exclusivos em seu email.

NENHUM COMENTÁRIO

ENVIAR UM COMENTÁRIO