Quando o m² mais barato sai mais caro

Quando o m² mais barato sai mais caro

Nada melhor do que aprender a avaliar o custo-benefício de um imóvel e as variáveis que influenciam o seu valor de venda. Você vai descobrir que o melhor preço é aquele que atende plenamente as suas necessidades. E nem sempre está no metro quadrado mais barato.

Um apartamento nunca é exatamente igual ao outro. Mas como comparar corretamente o preço de dois imóveis diferentes? Na hora da sua pesquisa, essa é uma questão importante.

•  QUAL É A MELHOR MANEIRA DE AVALIAR OS PREÇOS DE IMÓVEIS DIFERENTES? •

Estimar o valor médio de um imóvel com base em outros da mesma região exige uma análise que vai além das cifras. Afinal, são muitos os aspectos que alteram a valorização ou a depreciação de uma propriedade. Você precisa trazer critérios técnicos para avaliar opções semelhantes.

Mas a comparação de preços é possível e sempre bem-vinda para quem busca pagar um preço justo por uma opção que se encaixa em suas necessidades.

 

•  PRIMEIRO PASSO: DEFINIR AS SUAS PRIORIDADES  •

Quais são as suas prioridades com relação ao apartamento? A partir dessa resposta, fica mais fácil avaliar a planta e a infraestrutura dos imóveis selecionados.

Se você gosta de receber os amigos, ter uma área social grande é mais importante na hora da avaliação. Você pode buscar plantas que tenham livings grandes e quartos menores. Já se você prefere passar mais tempo na sua suíte, a área íntima ganha mais peso. E aí um apartamento com dormitórios grandes e sala pequena pode até ser mais interessante. Definido o tipo de imóvel que você precisa, identifique opções com características semelhantes para uma comparação mais justa.

 

•  TUDO PODE INFLUENCIAR O VALOR DE VENDA DO IMÓVEL  •

Até parece exagero, mas a avaliação de um imóvel é realmente influenciada por tudo o que a compõe. Sejam itens intrínsecos (como idade e acabamento), sejam critérios que não dependem especificamente da propriedade (como localização e infraestrutura): tudo entra na conta. Mas, em linhas gerais, a relação custo-benefício se dá de duas formas: o aspecto financeiro e qualidade de vida.

 

No aspecto financeiro, estamos falando de dinheiro, do seu investimento real. Um imóvel mais barato pode ter seu preço reduzido por conta dos materiais, de qualidade inferior, utilizados na obra. No momento do contrato, você sente que economizou. Daqui uns anos, os gastos com reforma podem ser maiores que a diferença de preço entre o apartamento escolhido e outro que tinha um valor um pouco mais elevado. Nos itens intangíveis, o principal parâmetro não é o dinheiro, e sim o que aquele imóvel pode trazer de bom para a sua vida.

 

A avaliação da planta, por exemplo: quanto as áreas de circulação do apartamento representam na metragem privativa? Um apartamento de 60m² que tenha um corredor de 10m² acaba oferecendo menos área realmente útil aos moradores. Eventualmente, é mais interessante um apartamento de 55m² sem corredor, por exemplo.

 

Outro ponto: uma boa área de lazer pode até fazer com que a taxa de condomínio fique um pouco mais cara, mas para quem tem filhos pode ser uma boa ideia ter as crianças se divertindo dentro de casa (além de também economizar uma grana com associação a clubes ou idas a parques e shoppings). Como já comentamos, são as suas necessidades que determinam a importância de cada um dos fatores.

 

Conheça agora os pontos mais considerados na avaliação  📌

U+2192.svg  Localização

O imóvel é lindo, o condomínio oferece tudo que você gostaria, mas… precisa de carro para tudo! A farmácia fica longe, você enfrenta o trânsito todos os dias para ir ao trabalho, qualquer ida ao supermercado se torna uma “viagem”. E aí, vale a pena? A localização é um dos primeiros pontos observados no momento de comprar ou vender um imóvel. O tipo de bairro, as condições das vias de acesso, a presença de linhas de transporte público e, principalmente, a disponibilidade de serviços nas redondezas, como escolas, restaurantes, farmácias, padarias e supermercados, são itens levados em consideração no momento de fixar o preço final do imóvel. Além disso, a posição da propriedade no terreno, como seu declive, se houver, e o tipo de vizinhança – mais tranquila ou muito barulhenta – também deve ser agregada ao preço.

 

U+2192.svg  Tipo de imóvel

Primeiramente, é preciso comparar o valor de imóveis de tipos e tamanhos semelhantes e aqueles localizados em seu bairro vendidos recentemente para se ter uma ideia de média de preços. O valor do metro quadrado de sua região também é uma informação muito importante no momento de definir um patamar de investimento.

Se o imóvel acabou de ser reformado e recebeu diversas melhorias (como armários embutidos, por exemplo, renovação da rede elétrica e outros) é normal o valor estar mais alto do que o metro quadrado praticado na área.

 

U+2192.svg   Acabamento

As novas tecnologias de construção e arquitetura ampliaram as opções de acabamento, que pesam cada vez mais no cálculo.

A qualidade dos materiais, a harmonia entre eles e a concordância com o estilo da construção podem elevar muito o valor do imóvel. Mantê-lo conservado é outro fator muito relevante para a valorização da propriedade.

 

U+2192.svg  Condomínio

As opções do condomínio são grandes atrativos e tendem a valorizar o imóvel. Itens de lazer como piscina, sauna, academia, salão de jogos ou de festas, área gourmet e jardins são sempre procurados.

Além disso, a tecnologia disponibilizada é um grande diferencial. Elevadores aumentam o preço das unidades do condomínio, enquanto elevadores com  senha de acesso ao andar são ainda mais valorizados. Já Wi-Fi, câmeras de segurança, sensores de presença e vigilância 24 horas são itens valorizadíssimos. Lembre-se que a infraestrutura oferecida pode ser boa ou precária. Não é   porque o condomínio ou casa tem uma piscina, por exemplo, que você deve  pagar muito mais por isso, afinal ela pode estar em péssimas condições, com vazamentos e sem segurança.

 

U+2192.svg   Vagas de garagem

Imóveis que contam com mais vagas por apartamento são mais valorizados. Se são cobertas e escrituradas, a valorização aumenta ainda mais. Por outro lado, se você prefere não ter carro e se locomover com o uso de meios alternativos de transporte, considere que um imóvel sem vagas pode ser mais em conta.

 

É claro que essa análise leva em conta muitos outros fatores (número de cômodos, andar e orientação solar são alguns), mas o principal que você precisa saber para analisar a relação custo-benefício de um imóvel é: tenha visão de futuro e defina suas necessidades. Especialmente quando falamos nos valores intangíveis, são as suas necessidades que ditam o que é importante ou não.

 

E então, acha que aquele imóvel de metro quadrado barato que você gostou vale mesmo a pena ou vai ser um caso de “barato que sai caro”? Independente da resposta, esperamos que com essas dicas fique mais fácil encontrar o seu próximo apartamento 😉

 

Viver em um imóvel que responda a todas as necessidades da sua família é o maior barato!

NENHUM COMENTÁRIO

ENVIAR UM COMENTÁRIO