O que você precisa saber antes de comprar um apartamento

O que você precisa saber antes de comprar um apartamento

Manual do futuro proprietário:

Muita gente compra um imóvel apenas uma vez na vida. É uma mistura de expectativa alta com uma falta de experiência no negócio. Como você pode se preparar? O que precisa saber antes de comprar um apartamento? Confira a seguir algumas dicas que preparamos para você fechar um bom negócio.

 

PLANEJAMENTO E PRUDÊNCIA SEMPRE SÃO BEM-VINDOS.

Planejamento e uma boa dose de prudência nunca são demais quando o assunto é comprar um apartamento. Mesmo que você tenha encontrado o apartamento dos seus sonhos, não se deixe levar pela emoção. É fundamental analisar vários fatores antes de tomar a decisão.

 

DIANTE DO GRANDE VOLUME DE OFERTAS, VOCÊ PRECISA SE PREPARAR.

Houve um tempo em que bastava comprar o imóvel na planta e vender na entrega das chaves para lucrar. Acredite, isso aconteceu e não faz muito tempo assim. Atualmente, é possível encontrar muitas ofertas e informações sobre o mercado com uma rápida pesquisa em sites de imobiliárias e portais especializados. Se você não tem experiência prática de comprar imóveis, pelo menos tem muita informação ao alcance da sua mão.

 

DICAS PARA VOCÊ FAZER UM BOM NEGÓCIO.

Confira a seguir uma série de dicas fáceis e preciosas, num negócio que geralmente envolve emoção, oportunidade e grandes valores.

 

O QUE VOCÊ VAI VER A SEGUIR:

 

• É uma boa hora para comprar? Não acredite em todas as previsões •

O mercado imobiliário sempre foi impactado pelos ciclos da economia. Se a economia vai bem, o mercado cresce. O problema é que os ciclos de aquecimento e desaquecimento da economia também afetam o seu emprego, o valor real do seu salário, a rentabilidade dos seus investimentos e o seu custo de vida. O Brasil já teve sete planos econômicos e dez moedas diferentes antes do real. Algumas previsões sobre o comportamento do mercado imobiliário têm pouco a ver com a realidade e só interessam aos vendedores. Por este motivo, é importante ter alguns cuidados antes de tomar a decisão de comprar imóvel.

 

• Qual é o tipo de imóvel que você pretende comprar •

Definir o perfil do imóvel é o primeiro passo para quem está pensando em comprar um apartamento. Você precisa considerar o que se deseja para o presente, sem esquecer que o futuro chega logo. Faça escolhas de modo a assegurar conforto e bem-estar a todos da casa por muito tempo. Pense em como está a vida de cada um de seus membros hoje, e como estará daqui a pelo menos 5 anos, que é um prazo futuro capaz de ser projetado. E, independentemente do que procura, não esqueça de avaliar um item importantíssimo: a segurança. Não só do bairro, mas no condomínio também. Ao visitar o imóvel, observe com qual facilidade você consegue acesso à área de moradores. Pergunte aos moradores do prédio sobre a violência do bairro e se já houve alguma dentro do próprio condomínio.

Antes de comprar seu novo imóvel, é importante considerar:

 

  1.  Tamanho e quantos dormitórios ele deve ter
  2.  Localização: quais regiões ele precisa estar localizado
  3.  Lazer: quais comodidades e tipos de lazer devem ser oferecidos pelo condomínio
  4.  Posição do apartamento
  5.  Segurança
  6.  Novo ou usado

 

Se você ainda não está seguro com relação ao perfil do imóvel, é melhor esperar um pouco. Comprar um apartamento menor do que a sua família precisa, ou muito distante das atividades cotidianas, vai produzir desconfortos em curto prazo. E, o que é pior: você vai precisar conviver um longo período com os efeitos de uma compra assim.

 

• Conheça seu limite de financiamento bancário e até onde você pode ou quer ir •

Você decidiu comprar. Já sabe como vai pagar aquele valor que parece um absurdo? A opção mais utilizada é o financiamento imobiliário, mas ainda assim existem outras formas. Se você pretende financiar, faça uma simulação de empréstimo no banco antes mesmo de começar a procurar. Ela se chama crédito pré-aprovado, e muitos bancos fazem isso para você, sem cobrar nada. Trata-se de uma forma simples de saber quanto de sua renda ficará comprometida com as parcelas.

 

Depois disso, faça um teste: simule seu novo estilo de vida (antes de financiar).

 

Você já fez a simulação para o financiamento, onde o banco informou que você pode comprometer até 30% da sua renda com o pagamento das parcelas. Até aí, tudo bem. Será que você é capaz de suportar esse peso no seu orçamento todos os meses? Que tipo de impacto isso vai gerar na sua vida financeira? Só existe uma forma de saber. Tente viver por alguns meses com uma renda familiar menor. Ao receber seu salário, reserve o dinheiro correspondente para pagar o empréstimo. Depois de três meses, você já terá uma ideia superficial do impacto que sofrerá na sua renda diante de um financiamento.

Agora considere que isso vai durar vários anos. Se sentir dificuldade, isso significa que deve financiar um valor menor, ou postergar ao máximo o prazo de pagamento (se já não estiver usando o limite), para reduzir o valor das prestações. Se você pode poupar um grande percentual da sua renda para pagar uma dívida, ou seja, para pagar juros e taxas para um banco, por qual motivo não poderia fazer a mesma coisa ganhando juros e tendo o tempo como seu aliado? Você deve pensar seriamente em fazer isso mesmo quando pretende comprar um imóvel financiado.

Estabeleça o valor da compra.

Já sabendo o tipo de imóvel, pesquise apartamentos com o mesmo perfil e estabeleça o preço que você pode ou quer pagar por ele. A partir daí, é só começar a juntar os recursos necessários.

Reúna os recursos para a aquisição

Tudo o que puder compor o valor de entrada do seu novo apartamento precisa ser contabilizado para você saber direitinho de quanto dispõe. Se você já tem um dinheiro guardado e vai usar o seu FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), sua compra ficará ainda mais viável. Se é o seu primeiro imóvel, há benefícios e isenções de taxas, como as cobradas pelo cartório. Depois de vista a entrada, planeje-se para que as parcelas caibam no seu orçamento.

Pague menos juros com uma boa entrada

Os bancos não financiam 100% do valor do imóvel. Você precisa ter um bom valor para pagar de entrada. Quanto maior for a entrada, mais fácil será conseguir o financiamento e menor será a sua dívida. Quanto menor o empréstimo e maior o valor do imóvel dado como garantia, menor o risco do banco. A própria taxa de juros que o banco cobrará do seu financiamento poderá ser menor se a entrada for maior. Quanto menor o prazo e menor a dívida, menos dinheiro você vai gastar pagando juros e taxas para o banco. Adquirir o bom hábito de poupar e investir o seu dinheiro antes de comprar o imóvel é a decisão mais inteligente que você poderá tomar.

Valor das parcelas

Seu apartamento já está escolhido? Chegou a hora de voltar ao banco e fazer simulações das parcelas. Se você é correntista de um banco há muito tempo e possui uma boa linha de crédito, pode ser que o seu gerente consiga condições especiais de financiamento. É importante você saber que nem sempre a Caixa é a opção mais viável, apesar dos juros muitas vezes menores.

 

• Conheça bem os custos extras envolvidos na transação •

Comprar um apartamento sem avaliar criteriosamente a sua real condição e o que cabe no orçamento, é um erro que pode gerar grandes dificuldades. Muita gente acaba esquecendo os custos extras que compõem a compra de um
imóvel. Isso pode gerar surpresa, ou mesmo um aperto financeiro.

 

A compra de um imóvel envolve mais despesas que a do fechamento do contrato (o valor pago ao vendedor):

 

  • Despesas com a documentação
  • ITBI (Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis);
  • Gastos com a mudança, e pequenas reformas;
  • Condomínio: some a parcela do financiamento ao valor mensal do condomínio e veja se o resultado não comprometerá sua qualidade de vida

 

Além disso, você deve se lembrar do comprometimento gerado pelas despesas com água, energia, internet, gás, compras no supermercado, entre tantos outros. Se a mudança de imóvel aumentar suas despesas com transporte, isso também deve ser considerado.

 

E, importante: o imposto de renda. Saiba o quanto o imóvel vai impactar no seu imposto de renda. Você pode encontrar algumas calculadoras online que incluem o valor do imposto. É fundamental analisar cautelosamente o aspecto financeiro da aquisição, fazer as devidas contas e incluir cada despesa com moradia, além das demais despesas básicas — com alimentação, transporte, ensino, saúde —, e as variáveis (com pagamento de carnês, empréstimos pessoais, cartões de crédito e outras) é uma das melhores maneiras de ter a exata noção do quanto se pode ter de despesa com a compra de um apartamento.

 

  • Tenha uma reserva para emergências.
  • Faça um roteiro antes de ir às compras.
  • É um negócio seguro?
  • Comprar ou alugar? Tudo está relacionado ao seu projeto de vida.

• Tenha um reserva para emergências

Desistir de um contrato de financiamento de imóveis não é como desistir de um contrato de promessa de compra de um imóvel na planta. Antes de assumir uma conta que vai comprometer a sua renda por muito tempo, é fundamental que você esteja preparado para fazer uma boa reserva para enfrentar as emergências. Embora a compra direta com a construtora permita um planejamento mais tranquilo e traga mais vantagens para o cliente, agir com um pouco de prudência é sempre uma decisão inteligente. Não existe uma regra para determinar quanto você deve ter como reserva de emergência. Mas ela será útil para não atrasar o pagamento das prestações do imóvel, ou para não atrasar o pagamento da escola dos seus filhos, plano de saúde, condomínio, água, energia, internet ou fatura do cartão de crédito, por exemplo. Tente reduzir os seus gastos e até mesmo deixe um capital reservado para conseguir lidar com dificuldades que possam decorrer durante esse processo.

• Faça um roteiro antes de ir as compras •

Por mais estranho que possa parecer, muita gente compra um imóvel no escuro. Acontece muito com imóveis comprados por brasileiros em Miami. Tem também aqueles que, na ânsia de concretizar a compra, se deixam levar pelo primeiro negócio que aparece, como se fosse o único possível. Mas, pra gente, essa estratégia é cheia de riscos. O mercado está cheio de boas oportunidades, e não faz muito sentido se deixar seduzir pelo primeiro apartamento bonitinho que aparecer no seu caminho. É claro que a internet facilita muito a pesquisa inicial, trazendo bastante informação para você comparar e selecionar as opções mais adequadas às suas necessidades. Mas esse é apenas o primeiro passo: é hora de reunir todas as informações que puder, para depois conferi-las pessoalmente. Mas aí encontramos aqueles casos de quem recebeu muita informação sobre o imóvel, viu fotos e vídeos, foi lá e pronto: fechou negócio. COM APENAS UMA ÚNICA VISITA.

 

O segundo passo é a pesquisa ao vivo. Considere que uma visita apenas não permite conhecer o ambiente no qual você viverá. Através de uma única visita é impossível perceber os detalhes do apartamento (incidência da luz solar nos ambientes internos, se são suficientemente arejados). Não dá para conhecer as condições do trânsito no bairro e na rua onde vai morar, em um só dia e horário. A gente recomenda que você visite o imóvel em dias e horários alternados, inclusive em um final de semana. Assim, dá pra conferir detalhes internos e, também, a movimentação em torno do condomínio – se é uma região segura e agradável – confirmando ou corrigindo as informações que você encontrou nas suas pesquisas iniciais. E, por último, o terceiro passo: a avaliação propriamente dita. Depois de reunir todas as informações e de visitar a região (ou as regiões) de seu interesse, você precisa digerir tudo o que aprendeu. Converse com pessoas de sua confiança e discute suas descobertas com elas. Pode ser que elas tenham informações adicionais e destaquem outros aspectos que você pode ter deixado passar. Um segundo par de olhos é sempre bom para os negócios e investimentos imobiliários.

 

•  É um negócio seguro •

Ao comprar um apartamento, cerque-se de garantias. Procure ver a oportunidade com olhos de investidor, mesmo que sua intenção seja apenas comprar um cantinho para viver com dignidade. Assim, pense nas possibilidades de aumentar o valor do imóvel através de melhorias. Ou investigue se a região tem potencial de desenvolvimento, valorizando também o seu imóvel. Busque informações sobre a construtora com a qual você vai fechar negócio (no caso de imóveis novos). Quantos imóveis ela já entregou, se foram obras com bom padrão construtivo e entregues no prazo. Visite seus empreendimentos. Procure saber se ela é correta com os clientes. Confirmada a confiabilidade da empresa, pode ir tranquilo para o negócio.

• Comprar um alugar? Tudo está relacionado ao seu projeto de vida  •

A compra nem sempre é a melhor opção, principalmente se você agir na emoção. Se não está seguro sobre sua situação financeira nos próximos cinco anos, é melhor avaliar seriamente se a compra de um imóvel é mesmo a melhor escolha. De modo geral, a possibilidade de ter filhos ou a perspectiva de mudar de emprego, por menor que seja, pode significar que não é hora de partir para a compra. O melhor talvez seja pagar um aluguel, até que haja mais clareza sobre a questão.

Agora, se você tem uma vida estável, boas perspectivas financeiras e profissionais, se pretende viver no mesmo lugar por muitos anos, vai sem medo. Ter um imóvel pra chamar de seu é muito bom!

 

 Mas a dica mais importante é: não se precipite! 

 

Essa decisão deve ser tomada com calma e analisada em todos os aspectos, pra não acabar frustrando toda a satisfação da sua conquista.

Você já está considerando a comprar de um apartamento? Quais suas dúvidas sobre o assunto?

A gente pode te ajudar durante toda a etapa de compra, para você encontrar o lugar que faça sentido para a sua realidade, conforme as suas necessidades.

NENHUM COMENTÁRIO

ENVIAR UM COMENTÁRIO