ENTENDA OS ÍNDICES FINANCEIROS

ENTENDA OS ÍNDICES FINANCEIROS

Praticamente todo contrato (seja de compra e venda, aluguel ou financiamento imobiliário) está relacionado a um índice de correção monetária que incidirá sobre a parcela a ser paga. O objetivo é evitar possíveis defasagens de valor que ocorrem no período de pagamento, conforme as mudanças no cenário econômico. Mas os indicadores financeiros servem para identificar oportunidades, ameaças e para apoiar a tomada de decisão. Então, antes de fechar negócio, a gente recomenda que você conheça os índices financeiros aplicados no acordo e como eles vão impactar no valor a ser pago. Assim, você vai uma ideia prévia da elevação da sua dívida.

 

Atualmente, há vários indexadores presentes no mercado imobiliário. Cada um reflete uma situação específica. Continue lendo nosso post e conheça os índices utilizados para corrigir contratos no mercado imobiliário.

 

OS INDICADORES QUE VOCÊ DEVE ACOMPANHAR

 

  • CUB: Custo Unitário Básico da Construção Civil

Um dos indicadores mais comuns. É responsável por ajudar na atualização dos contratos de imóveis que ainda estão em fase de construção, não valendo para unidades prontas. Traz informações muito completas sobre os custos da construção civil em diferentes capitais. Ele leva em consideração fatores como mão de obra e nível da qualidade do acabamento, por exemplo.

O cálculo para obter os valores aproximados não é nacional, podendo assim variar de estado para estado.

A correção de valores desse índice deve acontecer exclusivamente para imóveis em construção.

 

  • IGP-M: Índice Geral de Preços do Mercado

Também conhecido como “inflação do aluguel”. A maioria dos contratos de locação de imóveis, residenciais ou não, contam com uma cláusula específica que define o percentual de reajuste anual sobre o imóvel. O cálculo para correção é baseado no acumulado  nos últimos 12 meses do ano e é composto por vários outros índices: 60% pelo Índice de Preço por Atacado (IPA), 30% pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e 10% do INCC. Garante-se, assim, um reajuste dentro das variações do mercado.

 

  • INCC: Índice Nacional de Custo da Construção

Referência para reajuste de contratos de compra e venda de imóveis novos ou, principalmente, na planta. É calculado a partir das variações dos custos das construções nas principais capitais do país, incluindo mão de obra, materiais, equipamentos e serviços no setor. Na compra de um imóvel na planta, por exemplo, as parcelas ainda não pagas serão reajustadas pelo indicador. A correção é realizada sobre o saldo devedor; e não sobre o valor total do imóvel.

 

  • IPCA: Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo

Utilizado para corrigir contratos de compra e venda. É a inflação oficial na economia brasileira. O IPCA reflete os preços de bens e serviços, com base na variação de produtos básicos (alimentação, habitação, vestuário, transportes, educação, entre outros).

 

  • Taxa de Juros Selic

Também conhecida como Taxa Básica de Juros da Economia. É fixada pelo Banco Central, de modo a regular a economia, conter a inflação e controlar o crédito de maneira geral. Ela pode ser usada para orientar os reajustes de alguns contratos de venda e dá uma ideia do nível de crédito oferecido no mercado. Quanto mais alta é a taxa Selic, menor é o acesso ao crédito, o que diminui a possibilidade de financiamentos imobiliários.

 

  • TR: Taxa Referencial de Juros

A TR é aplicada para corrigir as prestações nos contratos de crédito imobiliário pelo SFH (Sistema Financeiro da Habitação). É o mesmo indicador empregado para corrigir os depósitos das cadernetas de poupança, e é calculado a partir da remuneração mensal média dos CDBs (Certificados e Recibos de Depósitos Bancários), com prazo de 30 a 35 dias e emitidos pelas 30 maiores instituições financeiras do país.

 

Entender os indicadores financeiros é um ótimo ponto de partida para entender o momento do mercado imobiliário. Se você sabe fazer uma análise do cenário, conhecendo os fatores que o influenciam e como isso impacta na hora de fechar negócios, com certeza estará melhor preparado para alcançar um outro índice: o da felicidade.

 

Quer saber mais sobre o mercado imobiliário? Assine nossa newsletter e receba mais notícias e dicas no seu email.

NENHUM COMENTÁRIO

ENVIAR UM COMENTÁRIO